António Machado Feliciano Júnior (1924-2017)

Em memória de um cidadão exemplar

 

 

                                        Por Nuno Alexandre Dias Rocha

                                                Presidente da Direcção da EICEL1920

 

 

 

 

No dia 23 de Fevereiro de 1924, a dois anos do final da primeira República Portuguesa, nascia, numa pequena e rural vila de Rio Maior, António Machado Feliciano Júnior, baptizado com o mesmo nome de seu pai e de seu avô, alfaiates de profissão.

  

Em nove décadas de vida intensamente vivida, este homem de invulgares qualidades humanas e cívicas acompanhou o período histórico de maior evolução social do nosso concelho, do qual foi protagonista, ajudando a transformar o meio cultural riomaiorense no exercício das mais diversas actividades.

 

Iniciou a sua vida profissional seguindo, enquanto jovem, a arte de seu pai, com alfaiataria aberta ao público na Rua David Manuel da Fonseca. Foi também projectista de construção civil, com edifícios construídos na vila, mas foi, sobretudo, Professor de várias gerações de riomaiorenses na antiga Escola Comercial de Rio Maior, no antigo Colégio Luís de Camões ou na Escola Secundária Augusto César da Silva Ferreira, onde foi criado um museu de mecanografia com o seu nome.

 

Jornalista de mérito, com carteira profissional, teve um papel de destaque no desenvolvimento da imprensa regional, desde a década de quarenta. Foi editor e proprietário da terceira série do jornal O Riomaiorense (1949) e colaborador do Jornal do Oeste (1964-1974), ambos dirigidos por Armando Pulquério, e ajudou a fundar, em 1988, o jornal Região de Rio Maior, título de mais prolongada e ininterrupta tiragem local, do qual foi Director desde o número 47, de 25 de Agosto de 1989, até aos seus últimos dias. Manteve, com assinalável regularidade, nas páginas deste semanário, uma coluna dedicada à Cultura e ao Coleccionismo, e foi também aqui que o seu olhar atento sobre a realidade riomaiorense encontrou um eco na secção “Bilhete-postal”, publicada entre 1988 e 2015 - um bilhete-postal sempre dedicado aos pequenos e grandes problemas da sua, nossa, “cidade amiga”: Rio Maior.

 

Homem de variados talentos dedicou o melhor de si, de forma genuína e desinteressada, ao desenvolvimento cultural da comunidade, cultivando como autodidacta diferentes formas de expressão artística, com destaque para o teatro, o cinema, a música e a fotografia.

 

Foi um dos fundadores do Grupo Cénico Zé P´reira (1941), apurando o gosto pela actuação teatral em peças apresentadas com grande sucesso no antigo Teatro Riomaiorense, das quais se salientou a opereta “E o Sonho foi Realidade...” (1945), composta pelo Maestro Alves Coelho (filho) com a colaboração de Joaquim Dâmaso Dias e Alexandre Laureano Santos (1).

 

Acompanhou Fernando Duarte na fundação do Cineclube de Rio Maior (1952), que viria a ter actividade de destaque a nível nacional. Feliciano Júnior foi Membro da Comissão Organizadora (1952-54), Secretário da Direcção e membro dos corpos sociais ao longo de décadas. No âmbito do Cineclube foi membro da Comissão Executiva do Concurso Nacional de Cinema de Amadores e um dos apresentadores regulares das sessões culturais realizadas no antigo Cineteatro (2).

Participou como actor, no papel de Daniel, no filme experimental “As Pupilas do Sr. Prior”, realizado por Fernando Duarte em 1955, do qual foi produtor e colaborador na planificação, fotografia e montagem. Em 1960 foi Director de Fotografia no documentário experimental em 18mm, “Sal sem Mar”, realizado por Fernando Duarte e executou a montagem do documentário experimental em 18mm, "O Pequeno Rio Maior", igualmente realizado por Fernando Duarte. Em 1963 realizou o filme "Movimento e Cor" (8mm). Foi realizador, no mesmo período, de diversos jornais de actualidades em 8mm, entre os quais “A Festa de Santa Bárbara nas Minas da E.I.C.E.” (3). 

 

Fotógrafo amador de mérito artístico, expôs e foi premiado em Salões nacionais e internacionais de fotografia, com destaque para o primeiro prémio no I Salão Internacional de Arte Fotográfica de Portalegre, em 1965, atribuído à fotografia "Em contemplação" por um júri constituído pelo cineasta Manoel de Oliveira, pelo escritor José Régio e pelo pintor João Tavares (4). Dinamizador da Secção de Fotografia do Cineclube, foi membro da Comissão Executiva e do Júri do Salão de Arte Fotográfica de Rio Maior.  Participou também na organização e foi membro do júri de Salões realizados no Cartaxo, em Óbidos, Azambuja e Vila da Marmeleira. Transmitiu aos seus alunos o gosto pela fotografia e registou, num espólio valioso, diferentes aspectos da evolução urbana da cidade de Rio Maior desde a década de sessenta.

Com João Afonso Calado da Maia e Ernesto Alves, entre outros, foi um dos fundadores do Círculo Cultural de Rio Maior (1956), cultivando o gosto pela música enquanto membro do respectivo Grupo Coral e Orquestra Folclórica. Dirigido pelo Maestro António Gavino e composto por um efectivo de cem elementos, o grupo coral, popularmente conhecido como Chia-a-nora,  representaria Rio Maior em palcos de todo o país, até se extinguir em 1960. António Feliciano integrou mais tarde o Coral e Orquestra Típica de Rio Maior, fundado em 1978, cujo repertório seria gravado em disco e que se manteve em actividade até ao ano de 2011.

Foi um dos grandes dinamizadores nacionais do Coleccionismo, criando o Encontro Nacional de Coleccionadores de Rio Maior, que organizou até à 29.a edição, em 2016, e que hoje ostenta o seu nome. O gosto pelo coleccionismo foi também partilhado com os riomaiorenses em inúmeras exposições temáticas de postais ilustrados realizadas na Biblioteca Municipal.

 

Homem de fé, dedicado à resolução dos problemas sociais da comunidade, foi um dos fundadores da Conferência de S. Vicente de Paulo de Rio Maior (1952), que teria uma acção de relevo no alojamento de famílias carenciadas com a construção do Bairro do Padre Américo. Foi membro da Comissão para a Construção da Igreja Nova, Mesário da Santa Casa da Misericórdia de Rio Maior e Sócio de Mérito da Associação dos Bombeiros Voluntários de Rio Maior.

 

Sem o apoio do Professor António Machado Feliciano Júnior, o património mineiro de Rio Maior como hoje o conhecemos possivelmente já não existiria. Colaborou com o processo de estudo e salvaguarda desde o ano de 2005, disponibilizando, com a sua habitual generosidade, um importante espólio de fotografia e filme. Foi com o seu apoio activo e empenhado que, em Novembro de 2006, se tornou possível a criação da Comissão para a Defesa do Património Cultural do Concelho de Rio Maior, que veio a sensibilizar a Câmara Municipal de Rio Maior para a importância de preservar a antiga fábrica de briquetes da Mina do Espadanal.

 

Posteriormente, em 2010, o Professor seria um dos sócios fundadores da EICEL1920, Associação para a Defesa do Património, que o homenageou, em sessão pública realizada a 25 de Setembro de 2015, no âmbito das Jornadas Europeias do Património, com a atribuição do título de Associado Honorário.

 

Nestes breves traços não cabe a dimensão do contributo cívico e humano de António Feliciano, que marcou várias gerações de riomaiorenses, mas apenas um testemunho pessoal de homenagem e agradecimento.

 

O exemplo humanista de António Machado Feliciano Júnior perdurará na memória de todos os que tiveram a felicidade de ser seus contemporâneos, de com ele aprender e partilhar uma dedicação comum por Rio Maior. À comunidade cabe o desafio de honrar o trabalho do Professor, continuando o seu esforço altruísta de muitas décadas na valorização cultural do nosso concelho.

Nuno Rocha

(escreve de acordo com a antiga ortografia)

 

Figura 1 - António Machado Feliciano Júnior. Foi proprietário da 3.a Série e Director do último número da 10.a Série de O Riomaiorense. © Arquivo Região de Rio Maior.

Figura 2 - Número 1 da terceira série do jornal O Riomaiorense, de 10 de Fevereiro de 1949.

(2)

DUARTE, Fernando - Pequena História do Cineclube de Rio Maior. Santarém: VII Festival Internacional de Cinema de Santarém, 1977.

Figura 3 - Trabalhos de montagem do filme "Sal Sem Mar". António Machado Feliciano Júnior, ao centro, e Fernando Duarte à esquerda. © Reprodução de DUARTE, Fernando, 1977.

(3)

Idem, ibidem, pág.s . 9 a 20.

(4)

Idem, ibidem, pág. 17.

Figura 4 - Coral e Orquestra Folclórica do Círculo Cultural de Rio Maior, década de 50. António Machado Feliciano Júnior, de pé, à esquerda. Reprodução de DUARTE, Fernando, 1979.

Director e Proprietário: Nuno Alexandre Dias Rocha, 2015-2018. © Todos os direitos reservados.                                                                                             Distribuição gratuita

  • w-facebook
  • w-tbird
  • w-googleplus