Luís de Abreu Falcão Mena (1917-1984)

 

 

                                       

                                          

                                       

 

 

 

Estas são as nossas poucas lembranças de Rio Maior, com um Pai (Luís de Abreu Falcão Mena) excepcional e uma vida passada em família, sempre com muito trabalho e dedicação para com todos os trabalhadores e sobretudo os mineiros que trabalhavam na Mina do Espadanal.

 

Nossos pais alugaram uma casa em Rio Maior onde viveram com três filhos durante alguns anos. Quando tínhamos 6, 4 e 3 anos (Maria Margarida, Luís Fernando e Maria da Conceição) lembramo-nos perfeitamente da casa que considerávamos enorme com um grande jardim com um poço e um muro muito alto. Mais tarde os nossos pais tiveram mais dois filhos (Maria Helena e José Fernando).

 

Tínhamos casa em Lisboa, onde vivíamos habitualmente, mas como o nosso Pai passava a maior parte do tempo em Rio Maior, no seu trabalho dedicado e árduo nas Minas do Espadanal como Director Técnico, muitas vezes não estávamos juntos. No entanto, sempre que era possível, íamos com a nossa Mãe nas férias escolares.

 

As minas para nós eram um verdadeiro fascínio! Porque nunca fazíamos uma visita rápida, muitas vezes passávamos lá o dia e era uma descoberta de tudo o que ali se passava de extraordinário, os Mineiros falavam connosco e explicavam-nos tudo com as nossas perguntas e os muitos porquês. Nunca iremos esquecer Rio Maior e as Minas.

 

O nosso Pai falava-nos na grande importância de se poder trabalhar num local único e diferente como eram as Minas, onde se dedicava de alma e coração, no cargo que exercia com grande competência e empenhamento.

 

Sabíamos que o nosso Pai estava sempre atento às famílias dos Mineiros, pois a grande maioria vivia com carências e cheias de dificuldades, preocupando-se que todos recebessem o ordenado ao fim do mês, especialmente nos últimos anos de exploração das Minas do Espadanal.

 

A personalidade e o carácter do nosso Pai, desde sempre foram reconhecidos por todos, através das muitas actividades e trabalhos onde esteve envolvido e que realizou ao longo da sua vida, com grande competência e honestidade. Sempre foi uma verdadeira referência como uma pessoa de grande generosidade, de amor ao próximo e, sobretudo, saber resolver e apaziguar qualquer problema ou conflito que aparecesse, pois tinha muito bom senso. Foi um grande Homem, sempre fiel aos seus valores, dando testemunho de um verdadeiro católico.

 

Os nossos Pais foram para nós, os cinco filhos, um exemplo de vida e uma grande referência de amor, carinho, partilha, com uma presença permanente e atenta a todos. Foram na realidade uns Pais espectaculares de que nos orgulhamos muito.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Lisboa, 21 de Outubro de 2015

 

Maria Margarida Mena

Luís Falcão Mena

 

Figura 3 - Luís Fernando Falcão Mena (à direita) acompanhado de outra criança, nas obras de construção da fábrica de briquetes da Mina do Espadanal, 1953. © Colecção Luís Falcão Mena, Arquivo EICEL1920.

Figura 2 - Antiga residência de Luís Falcão Mena em Rio Maior. Rua do Jornal O Riomaiorense n.º 20. © Nuno Alexandre Rocha, 2009.

Figura 1 - O Homem e a Obra. Luís Falcão Mena diante da fábrica de briquetes da Mina do Espadanal, 1954. © Colecção Luís Falcão Mena, Arquivo EICEL1920.

Figura 4 - Luís Falcão Mena e Luís Fernando Falcão Mena no Porto de Lisboa diante do secador de lignite da fábrica de briquetes da Mina do Espadanal, 1954. © Colecção Luís Falcão Mena, Arquivo EICEL1920.

Por Luís Fernando Cordeiro Falcão Mena

       Maria Margarida Mena

 

Director e Proprietário: Nuno Alexandre Dias Rocha, 2015-2018. © Todos os direitos reservados.                                                                                             Distribuição gratuita

  • w-facebook
  • w-tbird
  • w-googleplus